O nada que é tudo

“…E nós que passamos o tempo a fazer planos e a decidir e escolher caminhos, para no entanto tudo ser volátil, tudo se resumir a nada de um momento para o outro, de um instante para um segundo tudo perder o significado, o interesse, a importância,,,”

 

E da mesma forma que tudo se transforma em nada, num ápice o nada passa a ser tudo e tudo volta a ter significado e importância. O nada, não é nada mais que o espaço para que o tudo chegue e ocupe o espaço, como o sol e a lua, nunca em simultâneo mas sempre um com o outro.